Em junho de 1945 todos os 26 P-47D que estavam em poder do 1° GAvCa foram levados em vôo até Capodichino, ao AAFSC/MTO, onde foram desmontados e enviados por via terrestre para Nápoles, para serem embarcados para o Brasil. No traslado, o P-47D-27-RE n° 42-26788 acidentou-se durante o pouso, sendo considerado perda total. As 25 aeronaves restantes foram embarcadas e transportadas ao Brasil no SS W. S. Jennings. Gradativamente o restante do material do 1º GAvCa começou a ser encaixotado e enviado ao porte nápoles, onde foi embarcado junto ao pessoal de terra e parte dos oficiais aviadores, a bordo do navio de transporte de tropas norte-mericano USS General M. C. Meigs (AP-116), iniciando o embarque em 04/06 e partindo do porto de Nápoles em 06/07/45. Junto com o pessoal do GAvCa vieram ainda o primeiro escalão da FEB e o pessoal da 1ª ELO.

O 1º GAvCa ainda tinha um crédito de 19 aeronaves junto ao depósito ao "Army Air Force Storage Center" da USAAF. Ao invés de trazer esses 19 aviões para o Brasil, foi feito um acordo com o Governo Norte-Americano e essas aeronaves foram trocadas por aeronaves do tipo P-47D-40-RA, mais modernas e bem equipadas do que as versões disponíveis na Europa, e que seriam trazidas em vôo por pilotos do 1º GAvCa a partir dos Estados Unidos. Esses P-47, posteriormente, receberam matrículas FAB que iam de 4129 a 4147.

Para fazer a travessia EUA - Brasil, em primeiro lugar foram escalados os pilotos abatidos e que ficaram prisioneiros do lado inimigo, seguidos, em ordem decrescente, pelos pilotos com maior número de missões. O grupo de 19 oficias que trariam as aeronaves decolou de Pisa rumo a Nova York em 14/06/1945, chegando ao seu destino em 16/06/1945. De Nova York, viajaram para Washington de trem, lá chegando em 20/06, onde foram recepcionados pela USAF no Shoreham Hotel e pelos generais Ira C. Eaker, Robert L. Walsh e Hoyt Sanford Vandenberg no Pentágono, com grande cobertura da imprensa local.

O vôo de traslado começou em 04/07/45, contando com dezesseis pernas e sendo concluída em 16/07/45. O vôo ocorreu sem maiores problemas, exceto por um P-47 que ficou retido no Amapá por problemas mecânicos, até que estes fossem resolvidos, e por um vazamento de óleo no P-47D pilotado pelo Ten. Av. Assis, que o obrigou a pousar nos Afonsos antes dos demais aviões.

Escalas do traslado Kelly Field - Campo dos Afonsos
Data Escalas
04/07/45 Kelly Field (EUA) - Brownsville (EUA)
05/07/45 Brownsville (EUA) - Vera Cruz (México)
07/07/45 Vera Cruz (México) - São José (Costa Rica) - Manágua (Nicarágua)
08/07/45 Manágua (Nicarágua) - Albrook Field (Panamá)
09/07/45 Albrook Field (Panamá) - Macaraibo (Venezuela) - Curaçao (Ant. Holandesas)
10/07/45 Curaçao (Ant. Holandesas) - Piarco (Trinidad y Tobago)
11/07/45 Piarco (Trinidad y Tobago) - Paramaribo (Guiana Holandesa) - Amapá (Brasil)
12/07/45 Amapá - Belém
13/07/45 Belém - São Luís - Fortaleza - Recife
14/07/45 Recife - Salvador
15/07/45 Salvador - Vitória
16/07/45 Vitória - Rio de Janeiro

Em 16/07/45 os primeiros pilotos do 1° GAvCa pousavam no Campo dos Afonsos. Antes do pouso, porém, Nero Moura dera instruções para que, durante a passagem dos aviões à baixa altura sobre a cidade, fosse mantida uma altitude sempre superior à altura do "Edifício da Noite", então o edifício mais alto do Rio de Janeiro. Com exceção do avião de Nero Moura, todos os aviões passaram abaixo da altura determinada.

Acompanhando o vôo dos Thunderbolt veio um Douglas C-47, atuando como aeronave de apoio. Nele vieram o 2° Ten. Av. Marcos Eduardo Coelho de Magalhães e o 1° Ten. Av. Roberto Brandini, ambos recuperando-se dos ferimentos em combate. Foram recepcionados, entre diversas outras autoridades, pelo Presidente Getúlio Vargas e pelo Ministro da Aeronáutica, Joaquim Pedro Salgado Filho, aos quias os pilotos foram apresentados um a um por Nero Moura.

O USS General M. C. Meigs, transportando o restante dos pilotos e o escalão terrestre, chegou ao Rio de Janeiro em 18/07/45.

Oficiais-Aviadores que retornaram da Itália no USS General M.C.Meigs
2º Ten. Av. Armando de Souza Coelho
2º Ten. Av. Danilo Marques Moura
2º Ten. Av. Diomar Meneses
2º Ten. Av. Fernando Correa Rocha
Asp. Av. Fernando de Barros Morgado
2º Ten. Av. Fernando Soares Pereyron Mocelin
2º Ten. Av. João Milton Prates
Asp. Av. Jorge Maia Poucinha
2º Ten. Av. Raimundo da Costa Canário
2º Ten. Av. Roberto Tormim Costa

Os pilotos que vieram voando dos EUA foram ao cais do porto encontrar-se com o restante do grupo e de lá partiram junto com as tropas de infantaria em desfile popular que tinha como destino a Praça Mauá, desfile esse que ficou conhecido como a "Parada da Vitória". Outros pilotos sobrevoaram o cais com 16 dos P-47 trazidos em vôo dos EUA. Os membros do 1° GAvCa seguiram em viaturas abertas, logo atrás das tropas de infantaria da FEB, com o povo contido por cordões de isolamento.

"Mas, quando chegamos à Praça Mauá, não se conseguiu conter o entusiasmo do povo, que invadiu o cordão, entrando pelo meio dos soldados e avançando sobre as viaturas para nos abraçar, as moças pulando e nos beijando... Foi uma loucura! O desfile se transformou numa balbúrdia! Ninguém mais desfilou. Na passagem pela Presidente Vargas, onde estava erguido o palanque presidencial, já não havia mais ninguém formado, passamos no meio da multidão. Nem sei que fim levou o desfile. Depois da avenida, não me lembro de mais nada, nem sei para onde fui na viatura, se fui para casa... A emoção era muita e já se passaram 40 anos.

Brig. Nero Moura
in "Um Vôo na História" (1993)

Jambock.com.br - Versão 4 - Março de 2015
© Copyright 2000 - 2017 Vicente Vazquez